outubro 12, 2011

Quando eu era Criancinha...



Quando eu era bem criança
As festas eram simplórias
Eu era criança simples
E escutei  lindas histórias
De fadas e  princesinhas
Das bruxas nas suas casinhas
Dos reis e as suas vitórias.

Uma festa sobressaía
Era o Dia da Criança
Eram poucos os presentes
Mas brotava a esperança...
De se viver com alegria
Desfrutando cada dia
_ Doce clima de bonança!

Os clubes e as piscinas
Só,mesmo,na imaginação
Nos meus pais, a pulsar forte
Um incansável coração
Cuja rotina era amar
Para a família ensinar
O exemplo da retidão

Os doces eram regrados
A prioridade era o pão
Pra alimentar nosso corpo
Com a carne e o feijão
À noite nossa vozinha
Com seus ares de rainha
Ensinava a oração.

Meu soninho era gostoso
Não tinha bicho papão
Pra atormentar os meus sonhos
Nem fazer assombração
Eu sonhava com as fadinhas
Com princesas e as rainhas
Num mundo de animação

Ah! como eu sinto saudades
Daquele tempo de outrora
A minha doce alegria
Bateu asas, foi embora
Junto com os meus pais
Que não voltaram, jamais
_ A vida me deu um fora!

bjs,soninha

5 comentários:

denise disse...

saudade da infância .
a nossa infãncia era tao inocente, tao aconchegante.
infelizmente hoje, nós próprios, pais, estamos matando a inocência da infancia dos nossos filhos .

✿ chica disse...

Também sinto saudades da simplicidade que em tudo havia!!!Lindo! beijos,chica

Tunin disse...

Bonito, Sônia! Quanta inocência em meus tempos de criança! Com 14 anos brincava com carrinhos, na areia, com a molecada. Tempos bons! Abração.

Aureliano disse...

Soninha,

Texto singelo, bonito.
Sempre temos em nós a presença da criança. Às vezes, ela nos vem em visita e conversa conosco. Isso é muito bom. Dá-nos um pouco de serenidade.

Abraços,

Aureliano

Angel@ disse...

Soninha, lendo este poema, também relembrei da minha infância, com muita saudade e ternura! Quanta sensibilidade e emoção retratadas em suas palavras! Amei este cantinho também. Seus blogs são ótimos!!!
Que Deus continue derramando muitas bênçãos preciosas em seu caminho!
Carinhosamente,
Angela