junho 16, 2011

Monólogo da Violência


Monólogo da Violência

Ah!
escura e fétida podridão
onde me enlanguesço
tingindo as minhas vísceras
no sangue que bebo dos inocentes...
negras garras que erguem a taça
borbulhante e quente
onde a vida pulsante
conturba-me e atrai...
mola mestra do ímpeto visceral
desumano e cruel !
agarro, humilho, sugo
estrangulo, decepo e sorrio...
transformando vidas
em taças de fel!

bjs,soninha

Um comentário:

orvalho do ceu disse...

Olá, Soninha
A violência contra a mulher é um desastre e acontece muito em maior escala do que imaginamos...
Incrível como num mundo "moderno" alguns homens continuam cafajeste!!!
A imagem é forte e dá pra gente sentir a força moral do tapa...
Bjs mais do que nunca de paz